Educação Financeira para todos

Você já percebeu que cada etapa da nossa vida requer um planejamento diferente, certo? Imagine então a chegada de um filho? Já parou para pensar em quantas providências são necessárias e quantos questionamentos começam a surgir?

Filhos e orçamento familiar

Como se planejar para a chegada do bebê? Como garantir o futuro deste ser tão pequeno, que vem lhe proporcionar momentos tão marcantes para toda a vida? Bem-vindo ao mundo dos pais, onde responsabilidade, amor e planejamento devem caminhar sempre juntos. Atenção às dicas e boa leitura!

Reveja o orçamento
Quando o bebê nascer, sua realidade financeira mudará drasticamente. É mais importante do que nunca elaborar, monitorar e ficar dentro do orçamento. Agora você tem uma pessoa que depende de você, e é preciso manter os assuntos financeiros da família em ordem. Um orçamento bem pensado será sua ferramenta de maior valor para administrar o dinheiro da família.

Se já possui um orçamento, precisará ajustá-lo para que supra as necessidades da sua família que cresceu. Se não possui um orçamento, desenvolva um agora mesmo.

Não se desfaça do seu antigo orçamento. Você pode usá-lo como ponto de partida para um orçamento novo. Revise todos os gastos para ver se não mudaram com a chegada do bebê. Seu aluguel ou financiamento, por exemplo, provavelmente permanecerá igual. Mas a conta de eletricidade talvez aumente se você contratar uma pessoa para que fique em casa todos os dias.

Inclua todos os custos adicionais de criar um filho em seu orçamento. Outro pai ou mãe poderá lhe ajudar a identificar quais gastos adicionais aparecerão de forma regular, como despesas médicas.

Diante disso, é necessário considerar, por exemplo, a inclusão de seu filho em um plano de saúde. Da mesma forma, é importante que você comece a pensar em contratar um seguro de vida que dê ao seu filho todo o respaldo necessário, caso algo aconteça a você. Afinal, cabe a você protegê-lo em qualquer circunstância.

Também será importante incluir mais reservas ao seu orçamento. Muitos consultores recomendam que se tente manter as suas economias entre três e seis meses de gastos, em caso de uma emergência.

Compartilhar